sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Disciplina "Tecnologias e Mídias Educativas"
Atividade 12 - Demanda de um serviço para desenvolvimento de recursos educacionais

Introdução

Esta atividade apresenta uma resposta para uma solicitação de serviço recebida de uma escola. O serviço consiste no desenvolvimento de um conjunto de recursos educacionais abertos que será empregado no processo de desenvolvimento de pessoal que atua na criação de cursos a distância. Este post apresenta um vídeo e um conjunto de imagens relacionados com o tema "Evolução da WEB, o qual foi selecionado dentre a lista de 10 temas disponíveis. Três questões foram criadas com base no vídeo escolhido, o qual apresenta a história da internet no Brasil. Para cada uma das questões é apresentado um arquivo com o trecho específico do vídeo que tem a resposta para a questão.

Tema selecionado: "Evolução da WEB"


RECURSO A - Vídeo com questões

Este recurso consiste em um vídeo sobre o tema "Evolução da WEB" e um conjunto de três questões elaboradas sobre seu conteúdo. Cada uma das questões está associada a um trecho do vídeo e a duas imagens. Uma resposta textual também é apresentada para cada questão.

O recurso foi desenvolvido com o uso das ferramentas Youtube e Picasa. O vídeo foi selecionado a partir de uma busca no próprio Youtube. Os três trechos recortados do vídeo original estão também hospedados no Youtube. A pesquisa para selecionar as imagens foi realizada no Google Images. As tabelas usadas na postagens foram criadas no Microsoft Word e então compiadas para a postagem.

O vídeo escolhido apresenta uma breve história da Internet no Brasil.
Link para vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=GfkqqNDQZyI



Questões baseadas no vídeo


1) Quando a Internet surgiu no Brasil e quem foram os precursores?

O trecho do vídeo que apresenta a resposta para a questão está hospedado no Youtube, no segundo endereço: http://www.youtube.com/watch?v=i6a2vKx2HYM

Duas imagens foram selecionadas para esta questão, disponíveis nos seguintes endereços:
http://www.pletax.com/wp-content/uploads/2009/02/radarnetworkstowardsawebos-300x191.jpg
http://www.nanquimaoquadrado.com/blog/images/quadrinhos/nanquimaoquadrado019.png

A primeira imagem apresenta um gráfico que ilustra a evolução da Internet por meio de suas ferramentas (ou recursos). O ponto central desta imagem é o destaque para o período "PC Era" que vai de 1980 a 1990, no final do qual a Internet chegou no Brasil. A imagem ilustra ainda o quão rápido e intenso tem sido a evolução da Internet.

A segunda imagem ilustra de maneira descontraída a evolução da Internet, sob a forma de uma tira (quadrinhos) com três momentos. No primeiro é destacado o ano de 1997, no segundo 2007 e  no terceiro 2032. Observa-se ao longo dos três momentos que a evolução tem sido grande e que promete se intensificar.

2) O que é o IP de um computador?

Trecho do vídeo que apresenta a resposta para a questão:
http://www.youtube.com/watch?v=FK1jK_t0_Qk

Duas imagens foram selecionadas para esta questão, disponíveis nos seguintes endereços:
http://blogs.oucs.ox.ac.uk/listeningforimpact/files/2010/11/Blog-Diagrams.005-1024x640.png
http://www.logixal.co.uk/wp-content/uploads/2011/10/img32_03.jpg

A primeira imagem ilustra a conexão entre computadores, roteadores e provedores de Internet. Esta é uma imagem mais técnica, que tem como objetivo demonstrar que o endereço IP identifica os computadores na Internet.

Na segunda imagem é ilustrado que há agora diferente tipos de equipamentos conectados à Internet,  como computadores, notebooks, tablets, telefones celulares e outros. Destaca-se ainda nesta imagem a ideia da nuvem, para ilustrar que atualmente utiliza-se a expressão "computação nas nuvens" para nos referirmos à parte da rede que não precisamos mais saber onde de fato está localizada.

3) O que é www?

Trecho do vídeo que apresenta a resposta para a questão:
http://www.youtube.com/watch?v=33jNmmZHBRM

Duas imagens foram selecionadas para esta questão, disponíveis nos seguintes endereços:
http://bp0.blogger.com/_TUr1DGoc2WQ/R5ik4bM5lsI/AAAAAAAAAcM/cDT75PyL_FA/s400/web-evolution.jpg
http://www.hiperbytes.com.br/wp-content/uploads/2011/06/evolucao-da-web.png

A primeira imagem ilustra a evolução da web em três fases: web 1.0, web 2.0 e Semantic Web. A imagem destaca que a interação entre os usuários evoluiu muito na web 2.0 e que estamos entrando na chamada semantic web. O objetivo desta nova etapa é a evolução da atual web para que os usuários possam encontrar, colaborar e combinar informações de forma mais fácil.

A segunda imagem é parecdida com a primeira, pois também apresenta as três fases da evolução da web. Nesta figura é apresentada uma palavra-chave para cada etapa: movimento, compartilhamento e inteligência.    Aqui observa-se que a semantic web é chamada de web 3.0 e relacionada com a palavra "inteligência". Esta figura destaca ainda que a terceira fase está em seu início e que promete ter desenvolvimento rápido.

Tabela com questões, trechos do vídeo e síntese das respostas

Questões relacionadas com o Vídeo
 Trecho do Vídeo com a resposta para a questão
 Comentário sobre a resposta para a questão
Quando a Internet surgiu no Brasil e quem foram os precursores?

A resposta para esta questão é que em 1989 ocorreu o início da Internet no Brasil, que teve como precursores professores e pesquisadores de universidades.
O que é o IP de um computador?
O IP, ou Internet Protocol, é o nome de cada computador conectado à Internet. Todos IPs são registrados pela FAPESP no nic.br, que é de fato um grande banco de dados que concentra todos os IPs de nosso país.
O que é www?
A www representou de fato a explosão da Internet para toda a sociedade, deixando de ser restrita ao meio acadêmico. Com a www surgiram as páginas na Internet, ou seja, endereço de conteúdos.


Imagens relacionadas com o tema selecionado e com as questões


A seleção das imagens se mostrou difícil por causa da natureza do tema escolhido. Foi difícil encontrar imagens que guardam relação com as questões formuladas. Inicialmente foram selecionadas 14 imagens e depois uma  nova triagem levou à escolha de 6 imagens que foram vinculadas às questões, duas cada uma. 

Logo abaixo são apresentadas duas tabelas com as imagens relacionadas a cada questão.

 Questões
 Imagens Relacionadas
Quando a Internet surgiu no Brasil e quem foram os precursores?  
O que é o IP de um computador?  
Fonte: http://blogs.oucs.ox.ac.uk/listeningforimpact/files/2010/11/Blog-Diagrams.005-1024x640.png
 O que é www?  


 Questões   Imagens Relacionadas
Quando a Internet surgiu no Brasil e quem foram os precursores?  
Fonte: http://www.nanquimaoquadrado.com/blog/images/quadrinhos/nanquimaoquadrado019.png
O que é o IP de um computador?  
Fonte: http://www.logixal.co.uk/wp-content/uploads/2011/10/img32_03.jpg
 O que é www?  
Fonte: http://www.hiperbytes.com.br/wp-content/uploads/2011/06/evolucao-da-web.png



Outras imagens relacionadas com o tema escolhido


Outras três imagens foram também incluídas no blog, mas sem vinculação direta às questões. Achei que estas três representam adequadamente o tema como um todo, apesar de não se mostrarem diretamente relacionadas com nenhuma das três questões.


Fonte: http://3.bp.blogspot.com/-Kl21mlTMqJY/UDN49tm55GI/AAAAAAAAARI/_hQDf6y9U14/s400/info1.png


Fonte: http://gerenciamentodeti.com.br/wp-content/uploads/2011/06/TabMeister.jpg






RECURSO B - Apresentação e Vídeo


Apresentação Eletrônica


A criação da apresentação foi feita simultaneamente em duas ferramentas, o MS PowerPoint e o Simplebooklets, sendo que eu já conhecia a primeira e com a segunda foi meu primeiro contato. Decidi trabalhar com as duas ao mesmo tempo por segurança, pois assim tinha certeza que pelo menos no PowerPoint teria como concluir a tarefa. Acabei conseguindo criar a apresentação nas duas ferramentas e então resolvi disponibilizar ambas aqui nesta postagem no Blog. O meu maior desafio era inserir os trechos do vídeo na apresentação, pois nunca tinha feito isto.
Para ambas apresentações foi possível incluir o “embed code”, de forma que ambas já aparecem visíveis para o leitor, bastando clicar em iniciar. No caso da apresentação em PowerPoint, precisei usar um site público de hospedagem, o Slideshare. Uma vez concluído o trabalho no PowerPoint, então fiz o upload do arquivo para o Slideshare. Eu já uso este site de hospedagem há mais de um ano, mas até aqui apenas para hospedar artigos e dissertações. Hospedar uma apresentação foi muito fácil, assim como gerar o embed code.
Achei muito difícil formatar a apresentação no Simplebooklets, pois requereu muito tempo. A formatação do texto se mostrou demorada. Por outro lado, gostei muito desta ferramenta para a inclusão de vídeos. De fato acho que esta foi a melhor característica desta ferramenta. 

Apresentação criada com a ferramenta Simplebooklets

Link: http://simplebooklet.com/publish.php?wpKey=q61kGwyae7uzmRMyFn2FDa



Apresentação criada com o MS Powerpoint e disponibilizada no Slideshare:

Link: http://www.slideshare.net/AntnioArturdeSouza/atividade-12-10-012013





Vídeo Digital


A criação do vídeo a partir da apresentação se mostrou uma tarefa difícil, pois nunca tinha feito isto. Eu já tinha visto vídeos de apresentações, mas nunca tinha tentado fazer eu mesmo. Estudei sobre este desafio e resolvi realizar a tarefa de três maneiras. Inicialmente tentei usar a ferramenta “Live Movie Maker” da Microsoft, mas não tive sucesso. A ferramenta travou no momento de salvar o vídeo em três tentativas, por isso desisti. Creio que o software não estava instalado adequadamente no computador que eu estava usando.
Tentei então gerar o vídeo com o Picasa e consegui. No PowerPoint eu salvei a apresentação em formato jpeg e então foram gerados diversos arquivos separados, cada um com um slide. No Picasa foi preciso apenas selecionar estes arquivos e gerar o vídeo. Nem foi preciso alterar a seqüência dos arquivos, pois já foram incorporados pelo Picasa na seqüência correta em função de os nomes dos arquivos terem numeração seqüencial de acordo com o arquivo da apresentação de origem. A limitação que encontrei no Picasa foi em relação a incluir os trechos do vídeo usados nas respostas das questões. Assim, o vídeo gerado pelo Picasa contém apenas os slides com textos e com as imagens. O upload do vídeo para o Youtube é muito fácil com o Picasa.
A terceira maneira para criar o vídeo foi com o próprio PowerPoint, mas na sua versão 2010. O resultado foi muito bom, pois o vídeo gerado contém os trechos do vídeo recortados como resposta para as questões. Este vídeo também está disponível aqui nesta postagem.

Logo abaixo são apresentados os dois vídeos, com indicação dos links.

Vídeo criado a partir da apresentação, usando a Ferramenta Picasa

Link: http://youtu.be/jawv4zWAmdA




Vídeo criado a partir da apresentação, usando o Microsoft PowerPoint versão 2010

Link: http://youtu.be/NdvZ7Whhc80




.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Disciplina "Tecnologias e Mídias Educativas"

Atividade 9 - Planejando um Serviço já Prestado


Agenda de Serviço


Introdução
As atividades são apresentadas de forma detalhada, como se fosse para um serviço real. Assim, algumas das atividades apresentadas não foram de fato desenvolvidas durante a realização da Atividade 6. As listas incluem, portanto, todas as atividades que foram previstas/consideradas como necessárias para a realização de um serviço real. Para cada uma das atividades foi utilizado um marcador (Letra para as atividades de capacitação e Algarismos Romanos para as atividades de prestação de serviço), que é utilizado na apresentação do calendário das atividades.

Lista de atividades de capacitação (to-do):
A)   Estudar os materiais (textos, vídeos, páginas da Internet, etc) repassados pelo cliente como base para a realização do serviço;
B)   Estudar as páginas (da Internet) dos cursos do cliente, visando melhor conhecer sua necessidade por imagens;
C)   Identificar junto ao cliente as características desejadas das imagens a serem selecionadas, buscando conhecer seus objetivos com as imagens;
D)   Realizar uma pesquisa bibliográfica sobre o tema do serviço, visando desenvolver um melhor entendimento sobre arte sacra e barroco mineiro;
E)   Realizar uma pesquisa bibliográfica sobre uso de imagens em páginas da internet, em especial em páginas de cursos, visando desenvolver um melhor entendimento sobre as características das imagens normalmente usadas para esta finalidade específica;
F)    Pesquisar por fontes de imagens gratuitas na Internet, que possam ser usadas sem necessidade de pagamento por direitos autorais, como Stock.xchng e Flickr ;
G)   Considerando que o resultado do serviço será apresentado em um blog, então será necessário estudar sobre o uso do Blogger para divulgar imagens e vídeos;
H)   Pesquisar por regras e instruções sobre publicação de imagens em Blogs, em especial em termos dos cuidados que deve ter a respeito de direitos autorais;
I)      Identificar quais formatos de imagem podem ser usados no Blogger e conhecer as características de cada um dos formatos;
J)    Selecionar as ferramentas (software) a serem usados para a manipulação (redimensionamento, ajustes, conversão de formatos, alteração de cores, inclusão de textos, etc) de imagens;
K)   Selecionar as ferramentas (software) a serem usadas para a criação de fotoshows e albuns de imagens;
L)    Estudar sobre o uso destas ferramentas (selecionadas nas etapas 09 e 10), ou seja, aprender a usar as ferramentas.

Lista de atividades de prestação do serviço (to-do):
I)          Discutir com o cliente as diretrizes para o desenvolvimento do trabalho, de forma detalhada, pois é imprescindível que se compreenda de forma bastante clara a necessidade do cliente;
II)        Elaborar um contrato específico para o serviço, especificando detalhadamente as responsabilidades do prestador, para evitar que o cliente venha posteriormente reclamar que tenha havido entendimento equivocado;
III)     Buscar por imagens sobre o Barroco Mineiro, visando criar uma biblioteca que sirva de base para a seleção das imagens a serem incluídas na postagem;
IV)      Buscar por um software gratuito que conversa imagens de um formato para outro, de forma que possa fazer as conversões necessárias para publicar as imagens no Blogger;
V)        Planejar a estrutura da(s) postagem(ns), definindo as seções e os recursos a serem usados (imagens isoladas, vídeos com seqüência de imagens, imagens com movimentos, etc);
VI)      Apresentar o projeto da(s) postagem(ns) ao cliente discutir possíveis mudanças, visando ter uma versão do projeto aprovada pelo cliente;
VII)    Escrever os textos (mensagens, instruções, observações) que serão usados no post;
VIII)   Selecionar as imagens que serão apresentadas na(s) postagem(ns);
IX)      Apresentar a seleção de imagens ao cliente e solicitar sua avaliação, efetuando as trocas e ajustes necessários;
X)        Usar um software específico (selecionado na etapa J) para manipulação das imagens em termos de resolução e  tamanho, de forma a preparar as imagens para serem incluídas na(s) postagem(ns);
XI)      Criar as imagens com movimentos, usando software específico selecionado na etapa K;
XII)    Criar o vídeo (fotoshow) ou álbum com as seqüências de imagens, usando o software selecionado na etapa K;
XIII)   Apresentar ao cliente as imagens selecionadas e discutir possíveis substituições;
XIV)       Acessar o Blogger e criar a(s) postagem(ns), conforme planejamento feito (etapa 7);
XV)       Efetuar conferencias e testes na(s) postagem(ns);
XVI)       Apresentar ao cliente a(s) postagem(ns), para ser avaliada;
XVII)     Efetuar os ajustes necessários na(s) postagem(ns) e submeter novamente ao    cliente;
XVIII)   Conferir e fazer testes com a(s) postagem(ns), para estar seguro de que está correta;
XIX)      Elaborar o relatório final do serviço prestado e submetê-lo ao cliente.

Calendário das atividades a realizar de capacitação e prestação de serviço:

O calendário (ou cronograma) das atividades foi elaborado em conformidade com o prazo estabelecido para a Unidade II, que foi de 12/11 a 10/12/2012. É importante destacar que a primeira etapa de capacitação está sendo considerada aqui como a leitura/estudo dos textos e outros materiais sugeridos na Unidade II. O quadro abaixo apresenta as atividades desenvolvidas ao longo dos dias 12/11 a 10/12/2012, separando as atividades de capacitação das atividades de prestação de serviço. É importante destacar que essas atividades (dos dois grupos) foram desenvolvidas simultaneamente. Como pode ser observado no quadro abaixo, algumas atividades se entenderam  por vários dias, por isso aparecem em mais de uma linha. As atividades de capacitação se encerraram no dia 06/12 e demais no dia 10/12.

Dias
Atividades
de capacitação
de prestação de serviço
12 e 13/11
A, B
I, II
14 e 15/11
A, C
III, IV
16 a 18/11
A, D
V, VI
19 e 20/11
A, E
VI, VII, VIII
21 e 22/11
A, F, G
IX, X, XI
23 a 25/11
A, F, G
XII, XIII
26 e 27/11
A, F, H
XIV
28 e 29/11
I, J, K
XIV
30/11, 01 e 02/12
I, J, K
XV, XVI
03 e 04/12
I, J, K
XVII
05 e 06/12
K
XVII
07 a 09/12

XVIII
10/12

XIX




quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Disciplina "Tecnologias e Mídias Educativas"

Atividade 6 - Demanda de um Serviço na Área de Mídias para a Web

1 - Exemplos de Diferentes Formatos de Imagens

Formato GIF
Fonte: http://historia-barroca.blogspot.com.br/2009/11/barroco-mineiro-obra-criada-pelo-maior.html

Formato BMP
Fonte: http://simonidesenvolvimentodepessoas.blogspot.com.br/

Formato TIF
Fonte: http://sampa.art.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=666%3Abiografias-alejadinho-distaque&catid=93%3Adistaque-2&Itemid=61

Formato PNG
Fonte: http://www.limacoelho.jor.br/vitrine/ler.php?id=5983

Formato JPG
Fonte: http://espacodoherculano.blogspot.com.br/2010/03/barroco-mineiro.html


2 - Composições com fotos

Formato GIF, com animação
Fonte das duas fotos usadas nesta animação: http://minasdiferente.blogspot.com.br/2010/10/barroco-pintores.html

Vídeo com fotos, criado com o Picasa
Fonte: neste slide show foram incluídas apenas as fotos apresentadas nesta postabem, cujas fontes já estão indicadas.

Montagem criada com o PhotoScape
Fonte da foto do topo: http://www.flickr.com/photos/80475230@N02/7376800146/
Fonte da foto da direita: http://veiasdouradasnocaminhodoouro.blogspot.com.br/p/ed-fisica.html
Fonte da foto da esquerda: http://prosalunos.blogspot.com.br/2008/04/barroco-mineiro.html

3 - Fotos em preto e branco

Duas igrejas de Mariana-MG: São Francisco de Assis (esquerda) e Nossa Senhora do Carmo (Direita)
Fonte: http://screamyell.com.br/blog/2009/01/04/um-cara-bom-de-servico/

Anjo Barroco, ornamento da Igreja São Francisco de Assis em Ouro Preto
Fonte: http://forum.mundofotografico.com.br/index.php?topic=30503.0

4 - Fotos com texto

Fonte da foto original: http://lmascarenhas.blogspot.com.br/2011/04/antonio-francisco-lisboa-o-aleijadinho.html
Autor do texto: Antônio Artur de Souza


Fonte das 4 fotos: 
http://www.flickr.com/photos/jcassiano/5479875084/ (superior esquerda)
http://jnazarenoataide.blogspot.com.br/2009/02/os-profetas_19.html (superior direita)
http://www.flickr.com/photos/gilcarvalho/page3/ (inferior esquerda)
http://caminhosmakingoff.blog.terra.com.br/2009/07/28/congonhas-%E2%80%93-aleijadinho-e-quitandas (inferior direita)


5 - Álbum com fotos de 4 diferentes esculturas religiosas do Barroco Mineiro

   

Fonte: neste álbum foram incluídas apenas fotos já apresentadas nesta postabem, cujas fontes já estão indicadas.



6 - Álbum em formato vertical com imagens do Barroco Mineiro


 
Fonte: neste álbum foram incluídas apenas fotos já apresentadas nesta postabem, cujas fontes já estão indicadas.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Disciplina "Tecnologias e Mídias Educativas"

Um momento de encontro com o mundo físico/presencial. 

Apresento neste post algumas informações sobre minha origem no Estado de Santa Catarina.

Segue uma foto da minha cidade natal, Araranguá-SC:

Eu considero minha cidade natal um lugar físico muito importante em minha vida. Lá morei até os 18 anos e minha mãe ainda reside na mesma casa onde me criei. Foi em Araranguá que comecei meus estudos. Foram 11 anos de escola que serviram de base para minha trajetória estudantil no ensino superior, que durou mais 12 anos.
Em Araranguá estudei em escolas públicas nos 9 primeiros anos, até o primeiro ano do ensino médio. Os dois últimos anos do ensino médio estudei em um colégio particular, com bolsa de estudos. Naquela época o ensino médio era profissionalizante. O colégio público oferecia apenas o curso de magistério e eu preferi estudar química no particular pois representava uma melhor formação para encarar o vestibular.

Informações básicas sobre Araranguá estão disponíveis na Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ararangu%C3%A1

A Prefeitura Municipal de Araranguá tem um site com informações sobre a cidade e sobre a vida na cidade: http://www.ararangua.net/

Sugiro um breve vídeo sobre Araranguá, que é um polo do ensino a distância da Universidade Federal de Santa Catarina.

Minha outra sugestão é um passeio virtual em Araranguá em 1950. Achei muito interessante pois utiliza recursos tecnológicos para recriar uma época distante da cidade.






sábado, 11 de junho de 2011

INTERATIVIDADE, TUTORIA E AMBIENTE DE APRENDIZAGEM

O Ambiente de Aprendizagem (AA) é um elemento crucial na educação a distância (EAD). Na era da Internet, o AA é virtual e accessível via computador ou outro dispositivo com acesso à web. Na década de 80, o AA de cursos a distância era muito diferente, restrito unicamente à correspondência via correios (Souza e Araújo, 2010). A maioria dos poucos cursos disponíveis no Brasil naquela época não fazia uso de nenhum outro recurso, apenas correspondência e textos impressos em papel.

Desde o século XIX, a EAD contava com o uso dos correios para transmitir informações e instruções aos alunos e receber destes as respostas às lições propostas, funcionava como alternativa empregada principalmente na educação não formal (Almeida, 2002). Há muitos anos o rádio e a TV têm sido usados como AA, mas a interatividade era limitada e o aluno se manifestava apenas por meio de correspondências e telefone (Flórido e Soares, 2005).
Com a evolução tecnológica, o papel do professor também evoluiu, chegando na consolidação da figura do professor tutor. O tutor torna o AA muito mais interativo. Diálogos apenas com o computador são difíceis para muitas pessoas. De acordo com Litwin (apud Souza e Araújo, 2010), diferentes tecnologias têm sido incorporadas ao ensino ao longo do tempo e vêm redefinindo a forma com os professores interagem com os alunos, em especial na EAD. A tecnologia requer muito preparo técnico e rigor disciplinar do aluno. Um dos pontos críticos da EAD é a evasão dos alunos em decorrência de não se adaptarem à tecnologia. Em um AA completamente automatizado esta dificuldade se intensifica, pois requer contato direto e continuado com a tecnologia. O trabalho desenvolvido pelo tutor e os textos de apoio disponibilizados aos alunos minimizam este problema promovendo a interatividade por meio de um diálogo mais próximo do presencial.

De acordo com Prado e Valente (2002), atuar no AA significa expressar pensamentos, tomar decisões, dialogar, trocar informações e experiências e produzir conhecimento. As interações por meio dos recursos disponíveis no AA propiciam as trocas individuais e a constituição de grupos colaborativos que interagem, discutem problemas e temas de interesse comum, pesquisam e criam produtos e ao mesmo tempo os desenvolvem. A etimologia da palavra tutor traz implícito o termo tutela e proteção, comuns na área jurídica, como por exemplo na defesa de uma pessoa menor ou necessitada (SÁ, 1998).

Ao tutor cabe a promoção de interatividade, buscando identificar as dificuldades e limitações de cada aluno. Para tanto, o tutor precisa ser dedicado e dispor de tempo. Não pode apenas “cumprir” seu tempo previsto para o curso. Se o tutor apenas executar suas tarefas formais, a interatividade estará muito comprometida. É preciso “promover” a interatividade, ou seja, ser ávido e criativo em relação a trazer o aluno para o AA. Segundo Vidal e Silva (2010), esta convivência favorece a aquisição do saber, na medida em que permite a troca de conhecimentos e experiências.

O tutor precisa conhecer cada aluno em termos de sua participação no ambiente de aprendizagem. E-mails individuais, comunicação pear-to-pear (MSN, Google talk, etc.) e o velho telefone podem ser necessários para atingir o aluno e motivá-lo a “voltar” para o AA. Segundo Souza e Araújo (2010), “a partir de 1990 começou-se a perceber o avanço tecnológico através da internet para o ensino-aprendizagem: interatividade, autonomia e flexibilidade”.

As possibilidades de comunicação a disposição dos tutores e alunos aproximam o ensino a distância do ensino presencial. Esta argumentação pela “monitoração próxima” do aluno não significa “carregar” o aluno nos braços. Significa criar oportunidades para o aluno persistir no curso. Isto também ocorre no ensino presencial. Um conselho e/ou um elogio do professor podem ser muito importantes para alguns alunos.

Além de bem escritos, os textos de mensagens e avisos precisam transmitir “sinais” e “sentidos” que os tornem mais “facilmente aceitos” pelos alunos. Mensagens “ásperas”, “frias” e “insensíveis” aos poucos podem desmotivar e desanimar os alunos. Portanto, cuidados devem ser tomados em relação ao meio como se promove a interatividade, ou seja, a comunicação deve ser primorosa. Um outro ponto importante para que se tenha um AA com interatividade é o feedback construtivo, criado pelo tutor.

Há tutores que “economizam” palavras ao comentar sobre as atividades (tarefas) realizadas pelos alunos. Assim como no ensino presencial, é muito importante que os tutores sejam criativos e que utilizem critérios previamente definidos ao fazer as correções. Ao receber um feedback incompleto, falho e superficial, o aluno pode “perder” a confiança no tutor. Como vai interagir com um tutor no qual não confia? Interatividade sem confiança é possível?
Segundo Ferreira e Rezende (2004), o tutor deve acompanhar, motivar, orientar e estimular a aprendizagem autônoma do aluno, utilizando-se de metodologias e meios adequados para facilitar a aprendizagem. Através de diálogos, de confrontos, da discussão de diferentes pontos de vista, de diversidades culturais e/ou regionais e do respeito entre formas próprias de se ver e de se posicionar frente aos conhecimentos, o tutor assume função estratégica na interatividade na EAD.
Referencias Bibliográficas
Almeida, M. E. B.. Tecnologia e Educação a Distancia: Abordagens e Contribuições dos Ambientes Digitais e Interativos de Aprendizagem. PUC, São Paulo, 2002.
Prado, M. E. B. B.; Valente, J. A. A Educação a Distância possibilitando a formação do professor com base no ciclo da prática pedagógica. In: Moraes, M. C. Educação a distância: fundamentos e práticas. OEA/MEC, Unicamp, NIED, 2002.
SÁ, I. M. A. A educação a distância: processo contínuo de inclusão social. Fortaleza: CEC, 1998.
VIDAL, O.F.; SILVA, M.M. O tutor na educação a distância: contribuições da motivação para a aprendizagem online. In: Encontro de pesquisa em educação em Alagoas, Anais... 2010. p.1-9.
Souza, S. Sá; Araujo, M. J. de Azevedo. A formação de tutores da educação a distância. Disponível em: Acesso em: 27 out.2010.
Flórido, I.H.; Soares, S.S.K de Paula. Mediando a comunicação em tutoria. Curitiba, Editora da UFPR, 2005.

sábado, 4 de junho de 2011

Interatividade, Tutoria e as Relações Interpessoais no Ambiente de Aprendizagem

           A educação à distância (EAD) é um processo de ensino-aprendizagem que vem conquistando cada vez mais espaço no cenário educacional. Sua principal característica atualmente é o uso intensivo de tecnologias de informação e comunicação (TICs). Nesta forma de ensino é necessário que exista um ambiente de estudo adequado, assim como também é necessário no ensino presencial. A qualidade do processo educativo depende do envolvimento do aluno, dos materiais veiculados, da estrutura e qualidade de professores, tutores, monitores e das ferramentas e recursos tecnológicos utilizados no ambiente (PEREIRA, SCHIMITT e DIAS, 2007). O trabalho do tutor é muito importante para promover o envolvimento do aluno.
Por ser um processo de aprendizado mediado por tecnologias e mídias no qual os professores, tutores e alunos estão espacial e temporariamente distantes, um dos fatores de suma importância para um ensino com qualidade é a interatividade. Um exemplo de interação na EAD é comunicação por meio das ferramentas disponíveis nos ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs), que é facilitada pelo tutor. A interação (entre alunos e tutores) pode ultrapassar os limites dos AVAs, por meio de e-mails e de redes sociais, por exemplo. A qualidade da interação depende muito das ações desenvolvidas pelo tutor, mas também da forma como o tutor leva a cabo essas ações. O tutor deve ser dinâmico, ter visão crítica e global, ser responsável, ter capacidade de lidar com situações novas e inesperadas e deve saber trabalhar em equipe (JAEGER e ACCORSSI, 2010).
Na EAD, os recursos tecnológicos conjugados com o apoio tutorial devem constituir um ambiente que promova o desenvolvimento do conhecimento dos alunos. Devem possibilitar uma mediação entre professores, conteúdos didáticos e alunos de forma que a distância não seja empecilho para o processo de aprendizagem. Além do material didático, é importante que o espaço virtual seja organizado e objetivo, com textos interativos e auto-explicativos. O trabalho do tutor é essencial para que o aluno desempenhe seu papel com sucesso. As atribuições do tutor são muitas e não há como definir de forma precisa as suas ações. As competências e habilidades do tutor se mostram fundamentais para esse processo de interação e para a promoção de uma aprendizagem colaborativa (Gonçalves, 2008).
Segundo Riccio, Silva e Souza (2007), “as competências necessárias ao exercício da tutoria são três: a técnica, a gerencial e a pedagógica”. Na técnica, o tutor deve ter domínio dos recursos tecnológicos, capacidade de socialização de saberes com os cursistas, capacidade para elaborar relatórios técnicos. Na gerencial, deve ter habilidade de planejamento a curto e médio prazo, prontidão na reformulação de estratégias para a solução de problemas, e autonomia na tomada de decisões. Na dimensão pedagógica, o tutor deve ter domínio do conteúdo específico a ser trabalhado, habilidade para estimular a busca de resposta pelo aluno, disposição para continuar aprendendo, domínio de técnicas motivacionais,  conhecimento de recursos didáticos, domínio dos critérios de avaliação do curso. Deve sempre estar atento à sua didática, já que se trata de uma modalidade diferenciada de ensino e cheia de desafios.
As relações interpessoais na EAD são diferentes da educação tradicional. A interação realizada essencialmente por meio de recursos tecnológicos (e.g. fórum e chat) requer atenção especial do tutor. Segundo Alves e Nova (2003), o tutor é um agente organizador que tem como função a orientação e a construção do conhecimento e da auto-aprendizagem do aluno. Um dos desafios do tutor é usar as TICs para o desenvolvimento de um ambiente de aprendizagem estimulante e interativo, para tanto precisa dispor de habilidades interpessoais, como liderança, confiança, tomada de decisão e disposição para aprender (Wissmann, 2006).
Segundo Capelo (2005), a abordagem centrada no aluno desenvolvida por Rogers pressupõe que os cursos tem o objetivo de desenvolver os alunos de uma forma plena, bem como conduzir esses alunos para a auto-realização. Os cursos devem facilitar  a aprendizagem auto-dirigida. Dois conceitos são centrais nesta abordagem, a tendência atualizante e a não-diretividade. O primeiro diz respeito à tendência das pessoas em desenvolver todas as suas potencialidades em benefício de sua conservação e enriquecimento. O segundo pressupõe que as pessoas têm em si próprias condições de auto-compreensão e que são capazes de alterar suas atitudes e comportamento.
Assim, cabe ao tutor identificar as características de cada aluno e saber explorá-las, já que se trata de um ambiente com pessoas distintas e de diferentes contextos e conhecimentos. O tutor, para promover essa relação com o aluno a ponto de poder conhecê-lo melhor, deve usar estratégias diferentes da educação tradicional, precisa de um diferencial. O tutor não deve apenas produzir materiais e meios de transmitir conhecimento, mas deve também ser um intercessor numa aprendizagem que liga conhecimento adquirido com conhecimento já obtido. A atuação do tutor deve levar em consideração a figura do aluno, mantendo uma relação amigável, promovendo sociabilidade, demonstrando sensibilidade e promovendo a motivação.
Referências Bibliográficas
ALVES, Lynn; NOVA, Cristiane. Educação a Distância: Uma Nova Concepção de Aprendizagem e Interatividade. São Paulo, Futura, 2003.
CAPELO, F.M. Aprendizagem Centrada na Pessoa. In: Revista de Estudos Rogerianos – A pessoa como centro, Nº 5, Primavera-verão 2000. Disponível em: http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ ler.php?modulo=13&texto=817. Acesso em 09 nov 2010.
GONÇALVES, A.M.H. O Perfil do Professor/Tutor em Cursos Online. Dissertação de Mestrado. Universidade Aberta, Lisboa, 2008.
JAEGER, F. P.; ACCORSSI, A. Tutoria em Educação a Distância. Disponível em <http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=86>. Acesso em 09 nov 2010.
PEREIRA, A. T. C.; SCHMITT, V.; DIAS, M. R. A C. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. In: PEREIRA, Alice T. Cybis. (orgs). AVA - Ambientes Virtuais de Aprendizagem em Diferentes Contextos. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2007.
RICCIO, Nicia Cristina Rocha; SILVA, Patrícia Rosa da; SOUZA, Emalra Pereira de. Formação de Tutores para Educação a Distância com ênfase na interatividade. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, 27, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: [s.n] 2007, p. 413-421. Disponível em: <http://www.brie.org/pub/index.php/wie/article/viewFile/946/932>. Acesso em: 09 nov. 2010.
WISSMANN, L. Dal M. Autonomia em EaD – uma construção coletiva. In: POMMER, A. et AL., Educação superior na modalidade a distância – construindo novas relações professor-aluno. Série Textos Didáticos. Ijuí: Editora Unijuí, 2006. Disponível em <http://www2.unijui.edu.br/ ~liaw/Autonomia%20em%20EaD%20.pdf>. Acesso em 09 nov 2010.